quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Vale sempre a pena

o início de noite ideal para correr. a temperatura de cerca de 11 graus. alguma humidade. o piso ainda fofo e molhado.
saí do tagus park atrasado. mais ainda, fila para sair da quinta da fonte e entrar na a5. a hora crítica e aborrecida.
cheguei ao jamor, ao estacionamento da canoagem pelas 18:45m. a ideia era treinar em paralelo com o treino do rodrigo.
mudaça de roupa rápida; comecei pelas 18:51m. ainda me questionara sobre se valeria a pena. vale sempre. mesmo que fossem apenas 20 minutos. saberiam a pouco mas valeriam a pena. é preciso acreditar nisso, sempre, para não ficar em terra.
lá fui correndo no meio dos caminhos escuros, contíguos à pista e circundantes, no complexo do jamor. a iluminação não é um ponto forte, de facto.
o rodrigo dizia-me que terminaria o treino pelas 19h20m.
fiz as contas: 29 minutos e mais uns quantos para ele tomar duche. ainda os alongamentos.
no final bateu certo, foram 40 minutos redondos, com tempo para alongar, feliz, suado, em calção e sweat. os 11 graus pareciam verão naquele instante.

afinal ... vale sempre a pena começar!
no final está reservada a recompensa.

ab

3 comentários:

César disse...

Vale sempre a pena vencer aquela barreira mental que por vezes nos tenta barrar o caminho!
Quando o fazemos, passado alguns minutos, pensamos "como é que eu sequer hesitei....."
Abraço,

João disse...

É aquele passo em frente que por vezes custa a dar depois do coração passar os 120 bpm, é como o César disse e acrescento, "gosto mesmo disto". Seja a correr, a pedalar ou a nadar, de dia ou de noite é preciso pôr o coração a trabalhar.

JP disse...

Nunca se fica pior depois de acabar do que se estava antes de começar!