quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Vesna

chegaram em 1992, "fugidos" da bósnia. uma arquitecta com as duas filhas pequenas. não havia, por essa altura, sinais do marido e pai, que participava na guerra algures.
após alguma errância foram acolhidas por uma família simples, na província portuguesa lá mais para o norte. podemos ter muito a melhorar mas continuamos a ser solidários, um povo 5 estrelas. sobretudo entre a gente humilde.
orientaram a sua vida. chegaram sem nada, despojados das raízes, provavelmente uma das formas mais cruéis a que chegam os refugiados de guerra.
mais tarde chegou o marido e pai, a salvo do teatro da guerra onde combateu.
por cá ficaram. refizeram a vida. a arquitecta trabalha num atelier em coimbra. o marido e pai numa empresa. a filha mais velha é enfermeira em lisboa. a mais nova encontra-se a terminar o curso de arquitectura.
voltaram à bósnia para ver os destroços da vivenda que habitavam. só esqueleto. nunca pretenderam voltar de vez. o país que deixaram havia desaparecido, disseram.
com a réstea de esperança que trouxeram na bagagem, a par da solidariedade portuguesa puderam manter a dignidade.

queixamo-nos de quê?
ab

1 comentário:

PO disse...

Sem comentários.
Amigo AB obrigado por este momento.