domingo, 17 de fevereiro de 2008

Kayak na Amora - Sábado 16-02







foi um dia bem passado. o campeonato regional de fundo de kayak levou a família à amora para dar uma força ao rodrigo, mais especificamente à associação naval amorense.
aprecio estas colectividades que mantêm viva a chama do desporto, as mais das vezes com tantas dificuldades e amor à camisola e que ajudam tantos jovens a crescer e desenvolver-se no espírito são da prática desportiva. que afinal, tanto nos ensina para a vida.

chegámos pelas 10h. tudo calmo, cheirava a rio. não conheço bem esta zona e gastei o tempo até ao início das provas a tentar observar. rapidamente constatei o que vários companheiros relatam: a baía é bonita e apetece correr, isnpirando aquela maresia. ia treinar de tarde mas arrependi-me por não trazer equipamento, pois teria feito o treino imediatamente antes do almoço e antes das provas da tarde.

gostei de ver os pormenores, deliciosos: o barbeiro com dois fregueses em espera e um na cadeira, o mercado da amora, o cinema-teatro amorense, as churrasqueiras baía e torrãozinho. perto da associação naval amorense um conjunto de casas que naturalmente liguei à actividade piscatória de há alguns anos e que mantêm traços da simplicidade e da luta que, acredito, orientam a vida destas gentes à beira rio.
numa delas 2 portentos caninos inspiraram-me logo respeito :-)

foi um dia agradável. ventoso mas limpo, num local perto de água, que nos transporta imediatamente para um estado sereno.

uma nota imobiliária (esta não tem particularmente a ver com a zona da amora ou do seixal, infelizmente é extensível ao que observamos pelo país fora, diariamente):
rapidamente, também, se constata a proliferação de prédios. são assim, os tempos "modernos". pena tenho é de que não haja maior intervenção no que respeita à manutenção de uma traça arquitectónica coerente.
cada juiz sua sentença e em causa própria, no ramo das construção civil; todos praticam o que entendem como a mais avançada estética predial - ou a mais lucrativa, quem sabe? e no fim temos uma miscelânea de paisagens que não encaixam muito bem na paisagem.
é apenas a minha opinião, nada mais, salvo melhor opinião, claro.
abraço
ab

1 comentário:

Nuno disse...

Amigo António,
é por causa dessas coisas, que nós temos sempre de andar com uns calçoes e uns tenis extras na mala do carro. Para quando aparecer a vontade de dar uma corridinha, não seja o equipamento que nos impeça.
Além do mais, a corrida até um desporto tão simples de praticar.
Um abraço
Nuno