domingo, 8 de fevereiro de 2009

X Grande Prémio do Atlântico

fonte: http://www.ammamagazine.com/Fotos/20090208-vr/photos/IMG_0992.html

(eu de camisola vermelha - dorsal 1234 :). o ricardo de sweat verde, o a. luís de azul, o álvaro encoberto)

uma bela manhã.
rumo à caparica, o tejo parecia uma piscina.
os silos da trafaria e de porto brandão
vigiavam um cargueiro no meio do rio, que o céu cinzento cobria. passada a ponte foi tempo de verificar o preço do gasóleo na bomba da bp (a dos descontos ao fim de semana :) e constatar a escalada da construção, do lado esquerdo, mesmo antes do cruzamento dos capuchos. nos semáforos da costa foi virar à esquerda e procurar o ajuntamento. assim que virei numa rua mais adiante vi o tiago (o jovem das ultras). parei e recolhi informações. deixei o carro numa rua ao acaso e, por puro acaso e sorte, muito próxima da zona da partida e da chegada. ao dobrar da esquina a surpresa – encontro o nuno, a. luís, ricardo e álvaro. combinado não conseguiríamos melhor. haviam deixado o carro na mesma rua, uns lugares mais adiante. levantado o dorsal, fomos os cinco dar uma volta aos quarteirões. a habitual agitação com centenas de atletas já a aquecer, outros a “correr” para a zona de entrega dos dorsais, outros ainda dando informações por telemóvel num tom de voz que faria inveja a qualquer instrutor da recruta. só não saberia o trajecto para chegar à corrida quem não estivesse atento.
daí a nada rumámos aos carros, para equipar e iniciar o aquecimento. a vista da rua dava directamente para a encosta dos capuchos. pura beleza.


fonte: www.fotos.ondalivre.com


ainda se consegue avistar o verde selvagem, das varandas, por entre a roupa estendida. nos seus roupões, homens e mulheres começavam também a aparecer às janelas, ora para fumar, ora para espreitar o dia.
o aquecimento é sempre um momento ímpar, rico em encontros e cumprimentos. e ficamos a saber coisas novas a respeito de pessoas que normalmente encontramos noutros contextos. o hugo colega de profissão, o josé manuel aires a aquecer para sevilha, o antónio almeida com quem tive o prazer de prosar uns momentos, o decano arons de carvalho, e mais um dos companheiros do jamor, lá nos íamos cruzando e galhofando. na zona da partida ainda tempo para a chegada do carlos, luís e pedro. numa varanda dois posters gigantes de jogadores do sporting. o núcleo sportinguista da costa de caparica a dar cartas. o sol ia despontando envergonhadamente. a temperatura era a ideal para uma corrida deste género. frio qb, como gosto.
dada a partida a estratégia era seguir o ritmo do álvaro e do Ricardo, e depois logo se via. o a. luís “passeava” connosco, dando mais uma vez provas do seu cavalheirismo e amizade. até aos três quilómetros tudo normal, ritmo agradável, velocidade de cruzeiro. sentia o treino de ontem mais no cardio do que nas pernas. as subidas e descidas das ultimas semanas vão dando frutos positivos. a partir daí começámos a cruzar-nos com o pelotão e a acenar à malta conhecida. aos quatro quilómetros e aproveitando a ligeira descida deu para aumentar um pouco o ritmo. entre os cinco e os seis senti-me bem e fui andando. descolei um pouco do pessoal e segui. o sol apareceu e o vento batia agora de frente, mas era agradável, quando entrámos na zona de calçada. ainda foram uns metros valentes de stresse, pois não gosto de correr nesse piso e tenho sempre algum receio de torcer os pezinhos.





já de volta à zona da marginal da costa, o restaurante do conhecido benfiquista, o “barbas” – podiam era ter escolhido outra cor, aquele cor de rosa não lembra nem ao menino jesus – a lembrar talvez um certo equipamento secundário do glorioso, de há dois anos.

fonte: www.home.iscte.pt


na marginal e sentindo-me muito bem logo após os sete quilómetros, aproveitei a subida para acelerar um pouco. esta corrida foi toda ela um excelente “tempo run” para os quilómetros que terei de fazer brevemente. antes dos oito quilómetros o a. luís apanhou-me e fresco, frsquinho lá me foi fazendo companhia. já tinha saudades de uma corrida com este amigo e companheiro dos puros, dos que valem mesmo a pena. já vão existindo poucos como ele.
a marginal era toda ela obras.

fonte: www.travel-in-portugal.com



para além das reparações nos estragos provocados pelas inundações recentes e pelo inverno rigoroso, as eleições autárquicas em outubro também merecem e motivam algum empenho. a bem da população e dos veraneantes claro está!
rapidamente chegámos ao quilómetro nove e aí ainda acelerámos um pouco. algo que me irrita mesmo é a malta do corta mato e dos atalhos. seguimos sempre pela estrada, mas há aqueles que se enganam a si próprios e que insistem em atalhar umas boas centenas de metros ao longo de toda a prova. nas últimas curvas o incitamento popular e o sprint para a chegada abaixo dos 50 minutos. oficialmente 49m57s, no meu relógio, 49m27s. uma excelente corrida; com pouco mais de 1 mês de treino, as pernas começam a estar mais à vontade.
na zona da chegada era hora de tirar o chip, comentar a prova com o nuno, carlos, a. luís, falar um pouco com o pedro e com o luis. pouco depois o álvaro e o ricardo cortavam a meta e lá fomos entregar o chip e beber a garrafa de água. rumo ao carro ainda tempo para ver a ana p. a terminar a sua prova com a consequente troca de cumprimentos e sorrisos. mais uma ana, a coisa compõe-se!
as despedidas da malta junto aos carros, uma última vista para a zona dos capuchos e para a vegetação ainda poupada (até quando???). era tempo de fechar a prova e rumar ao duche.
valeu. obrigado caparica. foi a minha terceira participação, depois de 2006 e 2007. a prova mantém-se agradável, apesar do percalço deste ano pela falta de 100 metros.
pessoalmente tive mais uma prova de que quando não esperamos muito das provas, temos surpresas agradáveis, como foi a de hoje. deixar ir e desfrutar é cada vez mais o segredo para valer a pena. depois durante a prova logo se vê!
até para o ano , grande prémio do atlântico e, até breve, corrida!
ab

2 comentários:

António Almeida disse...

Companheiro
excelente relato, fizeste um bom tempo, gostei de te ver, foi pena não te ter visto no final, fica para a tua baía, continuação de boas corridas.
Grande abraço,
António

Carlos Lopes disse...

parabéns por mais este desafio