quinta-feira, 2 de abril de 2009

Maratona vs.Trilhos

num comentário ao post anterior o companheiro jp questionou algo como: "o que custa mais, maratona ou trilhos?"
comparando as provas de maratona que fiz, com a dos trilhos do pastor, o que me ficou:

- os trilhos são menos pesados em termos de cardio, pois existe alternância entre corrida e caminhada, o que permite chegar mais descansado;

- em termos musculares talvez sejam mais pesados, pois trabalham-se mais músculos e com muitas subidas; enquanto o problema da maratona é a "batida" permanente no asfalto, nos trilhos anda-se sobre um manto mais suave, mas com mais sobe e desce, o que representa mais esforço muscular;

foto: pedro o. buda (que estava a descansar na subida, enquanto os galegos ...)

- nos trilhos as dores musculares são mais abrangentes, pois no final doem mais músculos do que na maratona;

- em termos articulares e tendinosos, os trilhos exigem mais, sobretudo movimentos de torção e laterais ao nível dos pés, o que, para quem não está habituado, deixa algumas mazelas durante um ou dois dias;

- finalmente, ao nível lombar, os trilhos são mais exigentes, nas subidas mais puxadas doem "as cruzes" :))).

foto: pedro o. buda (já em movimento para nos tentar apanhar :)

por todas estas razões ... gosto das maratonas, mas desde domingo já só penso em trilhos :)


foto: margarida (uma querida)

abraço
ab

5 comentários:

Fernando Andrade. disse...

Amigo Bento, compreendo a preferência pelos trilhos. É que...

"O bom trilho à casa torna",eheheh

Abraço.
FA

António Almeida disse...

Amigo
vejo que te rendeste aos "trilhos", força.
Bom fs, grande abraço.

Fernando P disse...

Parece-me que as diferenças estão bem sublinhadas, mas pergunto-me: então e as descidas? Sempre ouvi dizer que as descidas eram mais susceptíveis de deixar marcas do que propriamente as subidas...
Por enquanto, não tenho experiência própria para comparar, mas a passagem aos trilhos também está na ordem natural das coisas no que me diz respeito.

JP disse...

Pois é, parece que a beleza dos percursos compensa as mazelas com que se fica. Eu cada vez estou mais para o "passeio" que para as "velocidades". O usufruto deve ser bem maior numa prova dessas, mas se calhar a da Freita será muito pesada... Mas depois pergunto-me: "E por que não?"
Vamos ver.
O amigo Tartaruga vai?

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Grande pinta, António! Parabéns por estes Trilhos!

Até já

Ana Pereira