domingo, 19 de outubro de 2008

Já está o Tejo 2008




fotos da cristina.


a corrida do tejo 2008 marcou uma diferença na forma como a sentia.
mas vamos por partes:
- antes da prova o encontro com todos os amigos, quer do gafe, quer de outras paragens. um momento especial, a presença do ricardo na sua primeira corrida. foste grande amigo, agora é continuar. o amigo álvaro também no seu melhor, motivação ao rubro, o oliveirinha e companheiro de tomar, sempre boas companhias. o filipe das lides da natação, o nuno, amigo de infância e que a vida me fez reencontrar hoje depois dos caminhos distintos que fomos trilhando – que felicidade saber que tudo está bem.
a ana no seu esplendor, um prazer conhecer o joca, como foi bom rever toda a malta do gafe, que saudades.
o pessoal da canoagem do paço d’arcos também lá foi fazer a corrida, cruzei-me com eles antes e depois da corrida.
- entrada na marginal e a espera, com o aquecimento e o envolvimento num mar vermelho. a corrida iniciou-se e demorámos muito, muito, a passar na linha da partida. até à descida do mónaco um mar totalmente vermelho, muito bonito, mas com pouca margem para correr, sempre em ziguezague. a vista da subida da cruz quebrada é sempre algo de assinalar, hoje em tom de vermelho, com o dia radioso, estava muito bonito. no alto da boa viagem abre-se a miragem do tejo e a corrida ganha outro alento.
- saí devagar, ia fazer um treino e o objectivo era uma corrida abaixo da hora. na cruz quebrada a malta foi e deixei-me ficar no mesmo ritmo lentinho. desfrutei da corrida sozinho no meio de milhares, com um enorme prazer. o dia estava quente e foi um dos motivos pelos quais não avancei mais depressa. sem treinar de jeito e com calor, fui mantendo o mesmo ritmo, acelerando ligeiramente após os 5 km, na 2ª metade da corrida.
- os abastecimentos no sítio certo, as várias bandas e grupos a dar um ar festivo ao evento, algumas palmas em paço d’arcos e em santo amaro, para além da multidão à espera na chegadas, a partir da subida para a praia da torre.
- a chegada com uma enorme confusão, ziguezague para poder acelerar um pouco e terminar mais forte e os comentários finais com toda a malta, o encontro com a cristina , rodrigo e andré, uma manhã bem passada. mais alguns conhecidos, o meu primo luís, o arrobas, muita gente a correr. já a caminho do carro ainda tempo para ver a malta que ia chegando, a caminhar, mas com o sorriso de missão cumprida e de desafio superado. afinal 10 km são 10 km, seja qual for o ritmo a que se façam. parabéns a todos.
- a organização esteve bem, mas o único reparo: a prova, em meu entender, já não comporta mais gente. começa a ser exagerado. há momentos em que, para correr, tem que se redobrar a vigilância. é uma reunião massiva e imponente, mas deixou-se este senão.
- o último aspecto, positivo: receber por telemóvel o tempo da prova, a classificação e o parcial aos 5 km e no final. apesar de não bater nada certo, pois pelo meu relógio fiz 58m33s, o tempo que me enviaram no sms foi de 1h03m59s com passagem aos 5 km em 34m. não era possível ter feito um split de tal dimensão, pois acelerei um pouco mas não foram 4m de diferença. e pelos vistos o tapete na partida não serviu para nada, a não ser para certificar que por lá passávamos …
foi bom ter regressado às provas.
abraço e até breve.
quanto à corrida do tejo, para o ano terá que ser avaliada a participação, pois se for para correr “depressa” e fazer uma boa marca, há muitos desvios a fazer no caminho.
é bom sentir que há muita gente a correr ou a caminhar. mas nesta marginal, começa a não haver muitas condições para 10 mil e muitos.

ab

p.s. - as melhoras do presidente carlos, bom descanso e um regresso sereno!

5 comentários:

Carlos Lopes disse...

Amigo António

Parabéns por mais esta prova,

Anónimo disse...

Olá António

parabéns pelo regresso.
Belo relato de uma muito boa manhã de domingo.
Tive pena não te ter visto, fica para a próxima.
Abraço e uma boa semana,
António Almeida

Chalana disse...

Grande Bento. Apesar da falta da tua companhia na noite anterior, reparo que a manhã te trouxe bastantes alegrias. A perda de um convivio só se recupera com um outro que nos faça felizes. Parabéns, e continua a divertir-te. Saúde.

ana paula pinto disse...

Olá António

Que pena não te ter visto, nem à Cristina, mas com aquela confusão...

Partilho completamente da tua opinião: os participantes já começam a ser excessivos. Como moldura humana é fantástico, mas quer-me parecer que esta corrida (até pelo rigor do regulamento) não se "encaixa" bem na pele de caminhada. A da Ponte, sim. Adquiriu, por tradição, uma participação massiva, entre corredores, caminhantes e participantes ocasionais (com um pouco de carnaval à mistura: vestimentas várias, cães...)

Penso que basta limitar um pouco mais o número de participantes para evitar "atropelos" e "tropeções". Foi uma autêntica prova de "perícia de condução de sapatilhas".

Este ano gostei muito d e lá estar.
Também fiz um tempo bom de mais na segunda metade da prova
(23´56´´); pressinto que não tenha sido o tempo real, afinal ainda não voo!!! Mas que ´tou quase, lá isso ´tou...por este andar!!!

Beijinhos
Paula

Carlos Ferreira disse...

Grande fotógrafa é a Cristina para descobrir a malta naquela multidão.
Também é verdade que a nossa equipa desta vez vinha toda de igual.
Assim também é mais fácil.